domingo, novembro 30, 2008

In my place

Madrugada de Buenos Aires, fila de uma "náite".
Pessoas exageradamente arrumados numa fila, 90% homens. A nova moda entre roupas masculinas na Argentina é o decote. Sim, o ridículo não tem limite. É uma gola em V que deixa todos os pêlos a mostra.
Um cara sai da fila, põe o pinto pra fora e começa mijar tranquilamente do meu lado.
Definitivamente aquele lugar não era para mim.

Galeria de arte de Palermo, noite qualquer.
Pessoas discutem sobre algo inútil que não tem a mínima importância para nada e a influência que esse nada possa ter na sociedade. Penso que talvez eu deveria ter seguido os insistentes conselhos do meu pai e ter feito vestibular pra Direito. Pelo menos assim eu evitaria esse tipo de papo.
A arte ou a pseudo-arte não é para mim.

Blog de publicidade conhecido no mercado.
Discussões e comentários sobre um agência que entregou revistas congeladas para os assinantes como parte de uma ação de não sei qual cliente. Se eu pagasse a assinatura de uma revista e ela viesse congelada pelo correio isso ia me deixar muito puto.
Isso também não é para mim. A publicade é a arte do trocadilho.
Mas pera aí. Você não é publicitário ou algo assim?
Exatamente. Sou algo assim. Mas às vezes tem tanta discussão sem sentido e valorização de coisas que não entendo.

Lembrei daquela música do Pato Fu que diz Vai diminuindo a cidade / Vai aumentando a simpatia / Quanto menor a casinha / Mais sincero o bom dia

Show da Juana Molina, Planetário de Buenos Aires.

Cheiro forte de "marijuana" no ar. A cantora pede uma salva de palmas para a lua.
Todos aplaudem.
Hippies, gritos de legalize já, brincos de pena e filtro de sonhos também não são para mim.

Concluindo.
E nessas de saber exatamente o que não é para mim, vou percebendo que não tenho a mínima idéia daquilo que é.
Estou pensando em me tornar um escritor, de preferência daqueles famosos. Falando nisso estou adorando a biografia do Paulo Coelho.


12 comments:

Ludmilla Lima disse...

Enquanto isso, o Z.Camargo continua celebrando o "inventivo pop argentino", em referência exatamente à Juana Molina. Se vc já esqueceu quem ele é, vc é feliz. Eu topei com isso. Enfim, é nisso que dá. A web é que devia ser o filtro dos sonhos. Caray, soy genial. :p

PS: Pergunta Tostines que não quer calar - aplaude-se Juana Molina/lua quando se está chapado ou se está chapado quando se aplaude JM/lua?

Carol disse...

salva de palmas pra lua definitivamente não é pra mim.

giancarlo rufatto disse...

eu sempre quis saber se a juana molina mora na argentina.

Túlio disse...

não mora não.

hellenG disse...

se a gente souber o que não é pra gente, já é meio caminho andado. salva de palmas pra lua?? ai, meu estômago...
beijo beijo

Mari disse...

adorei esse post! e, é vero, é melhor ir descobrindo com calma o que não é pra você. talvez aquilo que for "super pra você" chegue por eliminação... ;)

Ludmilla Lima disse...

É, não mora não. Mora nos EUA? Ela é prima de um amigo. Uy.

drex disse...

Eheh, tô na mesma, viu Túlio...

Mas estamos em boa companhia - a personagem da Scarlett Johanson no novo Woody Allen, também não sabe o que quer, só sabe o que não quer.

Abz!

adélia jeveaux disse...

por mim, homem comum ainda usava terno e gravata.
gola em V o cacete.

giancarlo rufatto disse...

façamos um piquete pela volta obrigatoria do chapéu ao traje tipico masculino.

Carol disse...

"Sim, o ridículo não tem limite. É uma gola em V que deixa todos os pêlos a mostra."

HAHAHAHAHAHAHAHHAA! buenos aires é o que há, admita!

Anônimo disse...

BICHO, VC É UM BOSTA.

Blog Widget by LinkWithin