domingo, dezembro 07, 2008

Sospechosamente Light

Se a alegria de pobre dura pouco, a tristeza do rico dura muito?

E a classe-média? Como fica o proletariado em relação a isso tudo? E os chineses e judeus que tem calendários diferentes?

Às vezes me preocupo com os dia arrastados, os minutos que não passam e as madrugadas eternas em claro. Segundo o ditado, sentir que o tempo não passa é sinônimo de pouca felicidade. Talvez estão faltando mais dias em que chego no final e penso "Como passou rápido!". Exatamente esses são os melhores, não?

Não tenho certeza. Vou ter que discordar.

Prefiro o que o Calamaro, o cara mais estáile do rock argentino, diz em "Mi Gin Tonic".

Hay días para quedarse a mirar,
hay días en que hay poco para ver,
hay días sospechosamente light,
hay un deseo que pido siempre que pasa un tren.

Fiquem aí com o clip:

3 comments:

Ivan disse...

sei lá. eu já sou o contrário. esse constante dias passando e atropelando a gente me cansam. ehehe. abs

artesmenores disse...

concordo, concordo, concordo, e ainda mais sobre o Calamaro. Gênio!
(valeu pelo parabéns)

Túlio disse...

eu amo uma preguiça.

Blog Widget by LinkWithin