quarta-feira, novembro 14, 2007

El pasado - de Hector Babenco

"Todas las mujeres son locas y Gael tiene eyaculación precoz" - Essa foi a sábia conclusão que o meu colega teve depois de ter assistido esse filme.

"Filme do Hector Babenco eu não vejo" - Essa foi a sábia sentença que escutei do André antes de sair para o cinema.

"El pasado" começa muito bem. Gael está se separando de sua mulher e começa a viver outras paixões. Enquanto isso sua ex tem sérias dificuldades para superar a ruptura. A atriz que interpreta essa mulher é uma das melhores coisas do filme. Uma moça lunática, obcecada e sem nenhuma noção. Um personagem que realmente mete medo. Diálogos interessantes e tudo mais sobre o amor, o passado e pra onde tudo vai depois que tudo termina.

Mas aí a coisa realmente começa a desandar. Muito acontece e com muita intensidade. No intervalo de 111 minutos, Gael se envolve com 4 mulheres diferentes, vai à bancarrota, tem um filho, perde a memória, vira professor de academia e transa com qualquer mulher que apareça na sua frente. É um enredo forçado, praticamente surreal. Muita coisa acontece sem razão, o filme "perde" tempo em coisas inúteis. Uma viagem para o Brasil, uma transa com uma outra qualquer, uma personagem que morre mas que não muda muito na trama. Na parte que ele está falido com sua barba de náufrago junto com o apartamento pateticamente sujo com milhares de garrafas de cervejas vazias eu quis rir.

Fora que o final com uma pequena reunião das mulheres bizarras do grupo de auto-ajuda da sua ex é algo digno de risadas. Não entendi qual é a do diretor Hector Babenco, juro que me esforcei. Vi "Carandiru" e confesso que esperava muito mais. Interpretações péssimas, atores mal escolhidos e um final totalmente panaca não me deixaram gostar do filme. Agora com "El pasado" é a mesma coisa. O diretor "caga" tudo.

Duas amigas leram o livro do Alan Pauls que originou o filme. Uma achou uma bosta fedida. Outra, que viu também o filme, diz que o livro já não é dos melhores, mas que o filme é desastroso.

Não adiantou nem a diversão de conseguir localizar todas as locações de Buenos Aires, as linhas de ônibus que aparecem, os bares, as lojas...

Enfim, digo aqui o que nenhuma crítica de cinema não disse: é um lixo.

Fazia tempo que não via um filme tão ruim e devo realmente ter perdido muito a "proposta" dele.

4 comments:

marie disse...

o gael é um gostoso e me faz achar até um filme do babenco bem feitinho;)hohooh

Túlio disse...

pfffffffffffffffffffff... os dentes dele sao horriveis!

adélia jeveaux disse...

bom, eu gostei do filme. lixo mesmo são as histerias daquelas mulheres coitadas.

adélia jeveaux disse...

e olha que o bergman já dizia coisa parecida, em "cenas de um casamento". a marianne, personagem da liv ullman, é insuportavelmente histérica.

freud ia adorar esses filmes.

Blog Widget by LinkWithin